A gente se acostuma



Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.

A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos e não ver vista que não sejam as janelas ao redor. E porque não tem vista logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, se esquece do sol, se esquece do ar, esquece da amplidão.

A gente se acostuma a acordar sobressaltado porque está na hora. A tomar café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder tempo. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E não aceitando as negociações de paz, aceitar ler todo dia de guerra, dos números, da longa duração.

A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: “hoje não posso ir”. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisa tanto ser visto.

A gente se acostuma a pagar por tudo o que se deseja e necessita. E a lutar para ganhar com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.

A gente se acostuma a andar nas ruas e ver cartazes. A abrir as revistas e ler artigos. A ligar a televisão e assistir comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.

A gente se acostuma à poluição, às salas fechadas de ar condicionado e ao cheiro de cigarros. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam à luz natural. Às bactérias de água potável. À contaminação da água do mar. À morte lenta dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinhos, a não ter galo de madrugada, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta por perto.

A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta lá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente só molha os pés e sua o resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem muito sono atrasado.

A gente se acostuma a não falar na aspereza para preservar a pele. Se acostuma para evitar sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida.
Que aos poucos se gasta, e que, de tanto acostumar, se perde de si mesma.

Texto de Marina Colassanti

24 comentários:

Livinha disse...

A gente se acostuma a tudo
de fato, por comodismo e sem
ter força para sair ao contrario.
Somos moldado no constante do tudo,
e vivemos calado...
assim a gente vai se revertendo, ainda que no jeito atropelado e quando a gente percebe, estamos mudados...
É preciso abrir as cortinas, sair da rotina e abrir as janelas, respirar outros ares, aqueles matinais e tomar mudança de hábito.

Lindo texto minha querida
saudades de você...
beijos e beijos
Livinha

Wanderley Elian Lima disse...

Eu sei que a gente se acostuma, mas não devia. É uma pena que a gente se acostuma.
Beijos

Andrea disse...

Livinha,

Teus comentários só acrescentam aos textos, realmente, as vezes acostumamos pelo puro comodismo.

Saudades de ti também, estou indo lá te visitar, bjo!

Muito obrigada pelo carinho..:)

Andrea disse...

Wanderley

Não deveríamos, porém somos teimosos, é mais fácil ficar, do que mudar...mas olha só, 2010 será um ano de grandes mudanças, aproveitemos para mudar!:)

Bjo pra ti
Obrigada por teu comentário

Eduardo Miguel Pardo disse...

Mas não deveriamos, a vida não deve ser assim!!! acreditar que o diferente é possível só o começo nas mudanças! entregar-se nunca jamais.nchokor

Fatima disse...

A gente sempre pode se desacostumar.
Bjs.

Andrea disse...

Oi Eduardo...você não só tem razão, como mostra isso todos os dias com tuas criações, mudando, transformando, dando-nos o incentivo que tudo pode ser mudado quando acreditamos e temos força de vontade...:)

Bjo pra ti :)

Andrea disse...

Oi Fátima

é verdade, simples e objetiva...:)

Bjos Flor!

:)

Gilson disse...

Andrea

Não poderia ter escolhido melhor texto. Li e reli e ainda me revoltei comigo mesmo porque sempre me acostumo a tudo isso e minha vida vai passando.

Obrigado

Andrea disse...

Oi Gilson

É verdade, como diz o texto, nos acostumamos, mas ainda temos tempo para mudar tudo o que for preciso em nossa vida.

Obrigada você por teu comentário.

Abrs

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

"A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer."

Triste constatação, a mais pura verdade...

Andrea disse...

Oi Ana

É verdade, ...mudar as vezes nos machuca demais...

Obrigada por tua visita, seja sempre bem vinda...:)

Xana disse...

Mas é bom a gente se acostumar a coisas boas, agora quando nos acostumamos a coisas más por que tem de ser, aí é triste, mas há muita gente assim.
Pessoas que não têm alternativa de mudar de querer.

mas como estamos numa época de costumes, já fiz a minha arvore de Natal, já enfeitei a casa , e estou á espera do gordalhufo de vermelhopara me dar um presente :)

espero que o teu natal seja cheio de luz e paz

beijos natalicios

Mariah disse...

a gente se acostuma com a Marginal alagada, com o flanelinha, com o hospital sem leitos, com o desemprego...com as grades nas janelas...

[ rod ] ® disse...

Eu não me acostumo nunca... por isso que 'grito' silenciosamente em palavras... bjs moça e obrigado pelas palavras... amo lê-las.

Daniel disse...

O ser humano tem algo de bom que é saber se adaptar as situações, mas nem sempre essas adaptações são para o bem, mas sim para um comodismo que não é legal.
Beijos

Andrea disse...

Xana! querida!

Você disse tudo!

Que seu Natal seja iluminado, , cheio de alegria, Paz e muita saúde e prosperidade!

Bjo pra ti e tua familia linda.

Andrea disse...

Mariah

E com isso somos obrigados para não ter uma ataque de nervos todos os dias..

não devíamos...masss

Seja sempre bem vinda.
Bjo

Andrea disse...

Oi Rod

que bom que vc não se acostuma...:)

Obrigada você

:)

Bjo.

Andrea disse...

Daniel

Verdade, nos adaptamos, ..melhor do que se acostumar..:)

Bjo e sucesso pra ti com sua Banda.

Ricardo Calmon disse...

Incorporar em vida nossa,envolver-se sem sentir,da vida coisas!,,Um dia lindo e BOM!

Viva Vida!

Andrea disse...

Ricardo!

Todos os dias quando acordo eu celebro a vida, porque todos os dias é mais um dia vitorioso!:)

Viva a vida!

Bjo querido amigo!:)

Sylvio de Alencar. disse...

Puxa! A tanto tempo que não via a Marina Colasanti!!!!
Celebrar a vida! Ter conciência de nós é uma boa maneira. Evita também que a gente se acostume com as coisas.

Elaine Barnes disse...

Infelizmente fomos criados a nos adaptarmos,nos moldarmos ao meio. Com certeza comodismo ou falta de percepção. A realidade nós criamos e só nós podemos mudá-la,mudar a maneira de ver tudo isso.Outras lentes.Sem dúvida é revoltante. A palavra tem muita força,mas, só o que muda a nossa vida é ATITUDE! Que 2010 seja um marco de transformações,que possamos contemplar o que é belo e eliminar o que faz nublar a visão. Bjs FELIZ ANO NOVO!