Tudo tem o seu tempo.




Tudo tem o seu tempo...
A vida, as pessoas, os sentimentos, e até as palavras. Tudo, sem exceção tem o seu tempo. Um prazo irrepreensível. Por vezes desconforme, misterioso, bárbaro, forasteiro e desconhecido. 
Tudo tem o seu tempo e cabimento. Enervante, enigmático e oculto... mas indefinidamente decisivo e aperfeiçoado. 
Porque tudo tem um tempo, excedemos e transpomos os padrões da nossa flexibilidade sentimental. São as emoções que ficam recessas, e nós que ficamos indefesos. Cansamo-nos do frágil e indolente demorar dos dias. Temos urgência, uma urgência intolerável, por vezes impertinente. Vivemos agitados e ansiosos por motivos que dizemos não conhecer. Até conosco somos desleais. Dizemos não conhecer causadores, porque optamos fingir que ignoramos.
Mas depois, nos refúgios, nos abrigos assustadores e nublados começam a sentir-se defesas e proteções.Escapamos aos destroços e deixamos de nos prender a restos e ruínas de sentimentos.

(Mafalda)

Ouvindo...



:)

Um comentário:

Anônimo disse...

;)