ANÁLISE

Tão abstrata é a idéia do teu ser
Que me vem de te olhar, que, ao entreter
Os meus olhos nos teus, perco-os de vista,
E nada fica em meu olhar, e dista
Teu corpo do meu ver tão longemente,
E a idéia do teu ser fica tão rente
Ao meu pensar olhar-te, e ao saber-me
Sabendo que tu és, que, só por ter-me
Consciente de ti, nem a mim sinto.
E assim, neste ignorar-me a ver-te, minto
A ilusão da sensação, e sonho,
Não te vendo, nem vendo, nem sabendo
Que te vejo, ou sequer que sou, risonho
Do interior crepúsculo tristonho
Em que sinto que sonho o que me sinto sendo.

Fernando Pessoa, 12-1911

5 comentários:

Gilson disse...

Opa lá menina, você anda meia introspectiva, sua alegria de sempre nos posts tem ficado de lado. Está tudo bem contigo????

Abs

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Pessoa é o poeta mais completo que conheço.
Ler e reler sua obra é delicioso!

Beijo

Sonia Schmorantz disse...

Análise em poesia, original, muito bonito!
beijo

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Andrea...o que dizer..obrigado, pois não conhecia este poema do Pessoa Fernando...caramba, arrisco dizer que na minha opinião um dos melhores. Gosto muiito daquele...

Não sei quem sou, que alma tenho.
Quando falo com sinceridade não sei com que sinceridade falo.
Sou variamente outro do que um eu que não sei se existe (se é esses outros)...
Sinto crenças que não tenho.
Enlevam-me ânsias que repudio.
A minha perpétua atenção sobre mim perpetuamente me ponta
traições de alma a um carácter que talvez eu não tenha,
nem ela julga que eu tenho.
Sinto-me múltiplo.

Ah...ele é PHODA com PH maiusculo...
Manda mais dessas que gostei viu!!rsrs
Um abraço na alma...bjo

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Ah esse CaetanoPessoa.....
Adoro essa música Andrea, era amúsica da minha filha Catharina, a magrelinha. Vi tbm a animação. Tem razão, macabra, mas consistente. Dá o que pensar.... instiga. Bacana mesmo.
Beijo minha querida, com chuva que começa a cair em sampa.