Comer, Rezar, Amar

Trecho do livro:

Meu marido dormia no quarto ao lado, na nossa cama. Eu o amava e não conseguia suportá-lo, em igual medida. Não podia acordá-lo para fazê-lo compartilhar o meu desespero – de que adiantaria? Já fazia
meses que ele me via desmoronar, acompanhando meu comportamento de louca (ambos concordávamos com essa definição), e eu só o exauria. Ambos sabíamos que havia alguma coisa errada comigo, e ele estava perdendo a paciência com isso. Brigávamos e chorávamos muito,e estávamos cansados daquele jeito que só um casal cujo casamento está acabando pode ficar. Nossos olhos pareciam olhos de refugiados.

Os muitos motivos pelos quais eu não queria mais estar casada com aquele homem são pessoais demais e tristes demais para serem compartilhados aqui. Muitos deles tinham a ver com coisas minhas, mas uma boa parte dos nossos problemas tinha a ver também com as questões dele. Isso é natural; afinal de contas, há sempre duas pessoas em um casamento – dois votos, duas opiniões, dois conjuntos conflitantes de decisões, desejos e limitações. Mas não considero adequado discutir as questões dele no meu livro. Tampouco pediria a alguém para acreditar que sou capaz de relatar uma versão imparcial da nossa história, portanto, a crônica do fim do nosso casamento não será contada aqui.

Também não discutirei aqui todos os motivos pelos quais eu ainda queria ficar casada com ele, nem todas as suas características maravilhosas, nem os motivos que me fizeram amá-lo e me casar com ele, nem os motivos pelos quais eu era incapaz de imaginar a vida sem ele.
Não vou abrir nenhuma dessas gavetas. Basta dizer que, naquela noite, ele ainda era, em igual medida, meu farol e minha ave de mau agouro.
A única coisa mais inconcebível do que ir embora era ficar; a única coisa mais impossível do que ficar era ir embora. Eu não queria destruir nada nem ninguém. Só queria sair de fininho pela porta dos fundos, sem causar alvoroço nem conseqüências, e depois só parar de correr quando chegasse à Groenlândia.

Sei que essa parte da minha história não é uma parte feliz. Mas eu a estou compartilhando aqui porque alguma coisa estava prestes a acontecer naquele chão de banheiro que iria mudar para sempre o curso da minha vida – quase como um daqueles superacontecimentos astronômicos malucos, quando um planeta gira no espaço sideral sem nenhum motivo, e seu núcleo incandescente se modifica, reposicionando seus pólos e alterando radicalmente seu formato, de tal modo que a massa inteira do planeta se torna subitamente oblonga em vez de esférica. Alguma coisa assim.

O que aconteceu foi que comecei a rezar.
Rezar, sabem? – tipo para Deus.

Comer, Rezar, Amar
Editora: Objetiva

Autor: Elizabeth Gilbert

...............................................................
Quando comprei este livro, nem li na verdade a sinopse, apenas comprei, e me encantei com  a história de Elizabeth Gilbert, uma mulher americana, ambiciosa, com uma carreira de sucesso e desfrutando de uma boa vida em seu casamento , tanto material como pessoal, ela havia se casado com um homem que muita mulher gostaria de estar casada. Mas entra aí a questão: Ela não se sentia feliz, acabou pedindo o divórcio achando que estava fazendo a coisa certa, e daí? Ah...entrou em depressão.Na verdade Comer, Rezar, Amar, é um relato pessoal, com muitos, mas muitos momentos emocionantes, e em alguns consegui até me identificar, porque na verdade, temos sempre isso em mente.Buscar a felicidade, e sem perceber nos damos conta que ela ta assim, bem do ladinho...

Não! não é um livro de auto-ajuda, nem mesmo do gênero romântico daqueles que você vai precisar de um lencinho na cabeceira quando cair em lágrimas.São apenas, ações e sentimentos que não se difere muito de cada um de nós.

Muito bom!
Uma dica, pra quem gostar do gênero.
Eu ultimamente , como já disse, leio até bula de remédio, e to quase me formando em Farmácia, rs...é assim, temos coisas boas e interessantes para tirar de uma boa leitura...sempre!:)

Bjocas*

26 comentários:

Gilson disse...

Andrea

Tenho esse livro em casa, faz parte da pilha de livros que não consegui tempo para ler, contudo não paro de comprar porque não vou parar de devorá-los assim que puder. Depois de sua dica vou posicioná-lo no topo para ser o primeiro.
Diz mais uma coisa, quem está cantando no clip ao lado??

Abs

Andrea Galvez disse...

Oi Gilson, faça isso, é muito legal, tem trechos ótimos, vc vai gostar.


Sobreo clip, é o Jason Mraz , você deve conhecer mais o sucesso que ele fez com I'm Yours, mas eu já ouço Jason bem antes disso...as letras são lindas, o som é bom demais e a voz taí, não precisa falar mais nada né?...:)

Bjo*

Crystal disse...

Oi Andrea!

Eu ja li est liro e adorei, me identifiquei muito com alguns momentos que ela passou e isto me ajudou a refletir...

Tambem adoro Jason Mraz, acho até que vou fazer um post sobre uma musica dele, rsrs

PS: Ando meio sumidinha, mas to voltando..

Bjs

Márcio Vandré disse...

Esse livro parece conter bons fragmentos! Vou colocá-lo na minha lista de livros!
Pois bem, também ando lendo muita coisa! Acho que até me formei em farmácia por causa das muitas bulas que li! Hahaha!
Um beijo e obrigado pela visita!

Livinha disse...

Pequeno mostra da história, que a gente acha interessante e tem vontade de ler. Gostei da narrativa da autora, quando não coloca razões de quem, adiantando que o de dois, os dois sem a verdadeira razão, sem haver versão impar de cada um.
Gostei Andréa e agradeço a dica.

Mocinha, não sabes o quanto admiro a tua escrita, tão definida de você. Teus comentarios faz brilho no interior da gente e o que torna-se maravilhosos de ler. Sois rica, de um conteúdo e forma de escrita indescritível. Eu simplesmente me deleito.
Obrigada pelo carinho lá no meu recanto.
Sinta o meu abraço afetuoso minha querida, gosto muito de você...

Bjs
Livinha

Bordados e Retalhos disse...

Andre eu adorei o livro. Acho que todos nós, principlamente nós mulheres, pelo menos uma vez na vida deveríamos nos dar o direito de retomar a vida, rever valores, projetos ...nos permitir sonhar, amar, rezar, viver. É como se tivéssemos direito a uma segunda chance. Bjs

Fatima disse...

Vou ler então.
Bjs.

Kimbanda disse...

Olá Andrea, amiga,
Sou compulsivo na leitura e tenho claramente 80 minutos por dia, o tempo gasto para ir e vir do trabalho. Uma chatice quando me parecem ter só passado poucos minutos.
Quanto ao livro ainda não li nem sei se está editado em Portugal, mas vou espreitar.
Quanto aqui vir, o pior é ter de largar por causa dos afazeres, porque é um gosto tamanho na tua escrita e forma única de receber. Encantado deixo o meu kandando e o desejo de um excelente fim de samana

Gilson disse...

Andrea

O post foi só uma reflexão do que fazemos, não fazemos e o que podemos fazer mais. Uma ebul~ção de minha mente que quis dividir, nunca uma critica a outros. Eu mesmo tenho procurado fazer muito, não comento porque sigo a máxima de que "nem a mão esquerda saiba o que a mão direita fez".
Acho que o sistema capitalista americano, amarra demais a todos nós fazendo com que caiamos num circulo vicioso que nos afasta de tudo e de todos.

Me passa o blog do André, gostaria de ler esse post "Utopia".

Abs

Andrea Galvez disse...

Oi Márcio, sou suspeita em falar porque adorei, mas acredito que vá gostar...depois me conta....

Então meu amigo, nos formaremos em famárcia...rsrs

Bjo, bom final de semana*

Andrea Galvez disse...

Livinha querida.

É encantadora esta narrativa de Elizabeth,leia...você com toda esta sensibilidade, vai adorar.

Sobre meus comentários, são reflexos daquilo que recebemos, sempre digo que não precisamos muito falar, você , como já disse tem pensamentos iluminados...meus comentários, são só carinhos em agradecimento.

Bjãso pra ti*

Andrea Galvez disse...

Oi Giovanna

Concordo, todos temos que ter uma segunda chance, sempre!A maturidade do que vivemos nos faz pessoas com muito mais vontade de viver...:)

Andrea Galvez disse...

Oi Fatima!


Leia sim! depois me conta se gostou...na verdade eu peço, dou dicas , mas ninguém volta pra dizer nada..hahaha

Pelo menos tentei né?rs

Bjoca*

Andrea Galvez disse...

Oi Kimbanda

Fico feliz em saber que gostas de passear por aqui, acredito que este livro esteja já nas livrarias Portuguesas.Se ler, espero realmente que goste, é encantador.

Sempre muito bem vindo viu!

Kandangos meu pra ti amigo!*

Andrea Galvez disse...

Oi Gilson, foi como disse, fico realmente indignada com descasos governamentais.Outras como disse, são ações e reações da natureza, então...só mesmo refletir e tenatr fazer algo, mesmo que em pequenos passos.

Deixei o link do Andre no teu comentário...

:) Bom final de semana*

Lucas Matarazzo disse...

Shoyaky que saudades de voces!

Mandem notícias, eu quando posso estou dando um olá.
Aqui é um tanto complicado devido aos horários e toda rotina diferente em que me encontro, mas não esqueçam de responder meus emails.Vocês realmente fazem falta!
Teu blog tá lindo, adorei o post do hããã?rs, escreva mais, você tem que trabalhar com isso, deixa os números e solte as letras e os verbos.

Vem pra cá!

Beijo Você, Dona Rafa e todos aí.

Elaine Barnes disse...

Boa Dica! Vou procurar o livro.Realmente creio que todas as separações são carregadas de frustrações.,quando não são bem resolvidas dentro da gente,arrastamos para outro relacionamento e a história se repete. Sempre os dois envolvidos são responsáveis né,cada um tem que trabalhar sua parte e fazer"diferente". Adorei seu comentário. Montão de bjs e abraços

Dois Rios disse...

Andréa querida,

A tua dica veio em boníssima hora. Estava querendo comprar esse título mas andava meio temerosa de que fosse livro de auto-ajuda, que eu de-tes-to! rsrs...

Que bom que você expôs um trecho aqui. Vou comprá-lo já! A leitura, ainda que seja bula de remédio, é uma ótima companhia,rss...

Beijos, minha querida!
Inês

Andrea Galvez disse...

Crystal!

Menina por onde andavas, vi que não postou mais as tuas músicas tão boas de ouvir...que bom que tá de volta!!

Re- bem vinda..:)

Bjo!

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Andrea, quanto tmpo, legal te ver por lá...
A leitura acaba nos prendendo, quando isso acontece, não tem jeito, é porque o livro é bom, portanto a dica é boa...rrs
Ser feliz, isso é uma prerrogativa de toos os seres humanos e para que aonteça, as vezes são precisos algumas rupturas, algumas ações inesperadas...ela o fez... rezou...rsrsrs
Um abraço na alma...um beijo amigo

Olhos Verdes disse...

Oi Andrea, primeiro de tudo preciso respirar! Li este trecho e sua reflexão em um segundo, flapt!
Vou comprar este livro, com certeza! Dica muito boa para uma louca por este gênero! No momento estou tentando ler dois livros, simultaneamente, rsrsrs Quando isso acontece é porque não estou muito bem da cabeça, rsrsrs
Obrigada pelos coments tão especiais! Vc tem razão em tudo o que observou, como tem!!!

Desculpe pelo sumiço daqui do seu cantinho, mas logo eu volto a ativa de novo!

Mil beijos!

Andrea Galvez disse...

Oi Élcio, estava devvendo minha visita, lindo teu poema sobre o Beijo...

O livro realmente é bom, pelo menos gostei muito, agora esta busca da felicidade é frequente sempre...nunca estamos satisfeitos!rs


Bjo pra ti*

Andrea Galvez disse...

Oi Pri

Eu não consigo ler dois livros, acho até melhor não fazer isso porque senão meus parufusitoss caem de vez...:)

Que bom que tá voltando...imagino tua correria de mãe, e todo este trabalho maravilhoso que desempenha...melhor assim...:)

Bjo nesta familia linda*

Ricardo Calmon disse...

viver ,tão somente

único caminho,

que blog teu com simplicidade e ternura,and emocion ,ahhh!tão somente exalas!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Andrea Galvez disse...

Ricardo!!!

Que surpresa boa ler um comentário teu...

Sentimentos recíprocos!

Viva a vida!!

Bjo*

Sylvio de Alencar. disse...

Interessante tudo isso: o livro, a dica , o papo por aqui.

Abrçs!