Porque?


Não precisaria de muito, apenas deitar na relva, olhar para o alto e pensar em tudo o que estava acontecendo à sua volta, em seu momento.
Era difícil analisar e pensar nas perdas, e nos danos que tudo aquilo poderia causar.
Pegou os exames, leu mais uma vez, e não queria aceitar o que estava acontecendo.Então mais uma vez fechou os olhos, ficou estática por alguns minutos, e quando abriu, viu a mesma cena.Ela ali, deitada olhando para o nada e com todos papéis jogados à sua volta.
Mais uma vez, pegou-os e arrumou entre suas mãos, que aflitas não queriam acreditar no que estava escrito ali.

Nesta hora, o que mais a surpreendeu não foi o medo de partir, mas tudo aquilo que iria deixar.Todas as pessoas à quem ainda tinha muito o que dizer, outras muito o que fazer.Soava estranho, tudo era estranho, era como naquele momento estivesse em suas mãos seu Testamento. E já estava pensando no que diria para as pessoas com quem convivia o tempo todo.
Levantou-se , e arrumou em seu corpo o vestido amassado, tirou de seus cabelos o verde preso da grama.Seus cabelos!...nesta hora, o tempo parou, o mundo parecia ter acabado...

Era tudo tardio, frio e estranho.

Saiu dali, e ao dirigir, apenas filmes ininterruptos passavam em sua mente.
O que fez o que não fez o que deveria ter feito.
Tudo estava errado ali. Ela era a pessoa errada para isso.
Esportista, boa alimentação, vida ativa, nada de sedentarismo, de bem com o mundo.
Jovem, com uma carreira em atividade promissora...

Porque ela?

Não ouviu nenhuma resposta, a não ser um vento forte anunciando uma grande e duradoura tempestade que estava por vir.
Não tinha outra saída, a não ser erguer a cabeça, olhar para frente e encarar tudo o que estava para acontecer. Mas nem sempre sua cabeça esteve erguida, nem sempre seus momentos foram de vitórias, mas estava ali, debaixo da chuva, dos raios e das forças ocultas que se manifestavam à sua volta.
O calor era tão somente, as amizades tão vivas, ricas, e virtuosas que estavam ali, acalorando seus momentos.
O Sol, era o que alimentava suas esperanças.
O tempo passou, e ela ainda se pergunta por tudo isso.
Fecha os olhos, mas apenas ouve o silêncio profundo, que só mesmo aos poucos ela irá conseguir decifrar com tudo o que vive, dia após dia.

Mas ouve um eco em seu interior dizendo:
Porque, porque, porque...

 Andrea Galvez.

11 comentários:

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Andrea...a gente vai lendo e se preocupando...imaginando se é apenas ficção ou realidade...se é baseado em algum caso verídico ou apenas obra de arte...tirada lógico do cotidiano, pois esses dias soube uma história assim...
Bom...não sei...tá tudo ok contigo não é mesmo? E com os que convivem ao seu lado tmabém né?
Um abraço na alma...boa quarta...bjo

Fatima disse...

Oh meu chamego!
O que eu posso te dizer?
ftmmr88@gmail.com
Fique a vontade.
Gosto muito de vc!
Bjs.

Ana Cristina Quevedo disse...

Não existem respostas prontas.
O coração faz sempre questão absoluta de nos lembrar disso.

Beijo, moça

=)

Andrea Galvez disse...

Oi Élcio!

Tá td certinho amigo...obrigada viu!:)
Pois é, isso acontece a todo momento, em algum lugar em que não sabemos quando e como foi que aconteceu...:)

Bjo!*

Andrea Galvez disse...

Oi Flor!

Vc muito querida...
A recíproca aqui é a mesma viu!

Bjoca pra ti*

Andrea Galvez disse...

Ana querida!

Com certeza, acredito que nunca haverá na vida uma resposta que seja quão correta para qualquer pergunta feita por nós...haverá sempre uma dúvida para ser exclarecida depois...:)

Bjo*

Bordados e Retalhos disse...

As vezes quando não sei resposta para alguma coisa costumo dizer que é mistério. Assim como são mistérios certas coisas tão boas que a gente tem na vida.Coisas para as quais a gente não tem explicação, como por exemplo, o mar lindo e azul que ganhamos de presente, o céu cacheado de nuvens branquinhas que é só nosso, a terra produtiva e viva que faz brotar milagrosamente flores e alimentos. Assim também quando estou diante de um problema, tão grande, sem explicação, só posso dizer que é um mistério de Deus. Mistério que será revelado a mim um dia. Lindo o texto amiga. Nos obriga a uma reflexão. Bjs

Livinha disse...

Seja o que for, creia sois a vida.
Não existe palavras certas, apenas dentro do contexto de ser, posso te dizer: Força!

Meu carinho e saudades de você mocinha...
Bjs
Livinha

Andrea Galvez disse...

Livinha querida!

é verdade, a força move tudo o que for necessário, e tá tão dentro de cada um, e isso já é o bastante para superar obstáculos.

Minha querida, eu leio teus poemas, leio, mas muitas vezes não comento, são tão lindos que meus comentários ficam tão pequenos...mas pode deixar, todas as vezes que estiver ali, vou dizer pra ti...:)

Bjão!

Marcos Campos disse...

Oi Andrea!!
Confesso que fiquei intrigadíssimo!!
Tudo certo com vc, não?
Beijos!

Andrea Galvez disse...

Oi Marcos...

Tudo indo para boas coisas que a vida proporciona!

Obrigada, vc sempre bem vindo...:)

Beijo!