Traduzir-se


Uma parte de mim
é todo mundo

outra parte é ninguém
fundo sem fundo.


Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.


Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.


Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.


Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.


Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.


Traduzir uma parte
na outra parte
que é uma questão

de vida ou morte


será arte?
 
Ferreira Gullar
De Na Vertigem do Dia (1975-1980)

4 comentários:

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Olá.

Como é bonito encontrar
palavras que nos enchem de sentidos.
Como é bom encontrar
pessoas que sabem cuidar de um poema,
e dar a ele uma de suas muitas metades.

Que a vida seja plena em ti.

Fatima disse...

Quinemquieu seu Ferreira Gullar!
Bjs

Elcio Tuiribepi disse...

Andrea, esta música poema é um hino...
Em minha formatura fiz questão de receber o canudo com ela ao fundo fazendo parte do meu momento.
Ótima escolha...
Um abração na alma...bjo

Livinha disse...

Que coisa mais linda de poemas,
que reunião harmonica de palavras que se bifurcam
maravilha!
Uma parte de mim está
desaparecida, outra parte de mim
sente-se destruida
uma e outra, não creio mais
que valha a pena....

Bjs minha querida
Livinha